lb fr pt en de
Geschicht vun der Diözes . Histoire du diocèse  
7 de Setembro de 2017

A Igreja no Grão-Ducado do Luxemburgo - Resenha histórica

Já no início do século IV, uma onda de evangelização da cidade romena de Trier (Alemanha) tocou o território actual do Grão-Ducado do Luxemburgo e seus arredores. A partir dos séculos VI e VII, ocorreu uma consolidação da fé cristã e nasceu a criação de paróquias-mãe. As divisões subsequentes deram , em parte, origem ao actual sistema paroquial. A pequena cidade de Echternach serviu de base para a evangelização da Frísia (uma província ao norte dos Paises Baixos) pelo monge e apóstolo dos Povos, originalmente da Inglaterra, Willibrord (658-739). Echternach tornou-se uma importante abadia beneditina, cuja basílica ainda hoje mantém as relíquias de St. Willibrord. Este padroeiro do Luxemburgo é venerado por muitos peregrinos daqui e de outros lugares, especialmente durante a «Procissão Dançante», no dia de Pentecostes.

O município medieval ou o ducado do Luxemburgo não possuía um bispado, e por isso era grande a influência exercida pelas comunidades religiosas masculinas ou femininas de São Bento, São Francisco ou São Domingos na áreas da pastoral, espiritualidade e cultura. Uma característica desta igreja é a sua forte marca mariana, cujo emblema é o culto da «Consoladora dos Aflitos», que existe desde o século XVII, e que ainda hoje continua a atrair milhares de pessoas durante a festa da Oitava, que decorre todos os anos depois da Páscoa.

Durante mais de 1500 anos, o Luxemburgo foi partilhado por 6 ou 7 dioceses vizinhas, e em 1840 a igreja tornou-se independente através da criação de um vicariato apostólico. Em 1870 foi elevada a diocese e em 1988 a arquidiocese. A área da arquidiocese corresponde ao território do Luxemburgo. O Estado luxemburguês, recentemente formado em 1839, esteve várias vezes a ponto de desaparecer devido à pressão das crises políticas e à ganância dos países vizinhos (Bélgica, França, Alemanha). Nestas ocasiões, a Igreja Católica desempenhou um papel importante como elemento unificador da identidade religiosa e ideológica, um papel que continua a desempenhar até aos dias de hoje: um papel patriótico e integrador que cobre quase toda a população. Na actual secularização moderna, a Igreja tem vindo a perder a sua influência como formadora de mentalidades, mas o catolicismo permanece, como antes, um elemento essencial da diversidade existente da opinião pública, pois permaneceu próximo dos diferentes grupos sociais e étnicos.

A Igreja Católica no Grão-Ducado tentou atender às exigências modernas através do IV Sínodo Diocesano (de 1969 a 1981), e assim fez o avanço para o mundo e a cultura de hoje, com a qual está em diálogo construtivo. Até hoje, este Sínodo é a referência essencial dos católicos do Luxemburgo e dá frutos em diferentes níveis como «aggiornamento» da vida da igreja e seu modo de ação. Uma religiosidade declinante, no entanto, é considerada o maior desafio para a igreja no Luxemburgo.

Esta igreja recebe uma vocação europeia, não só através da sua osmose com um estado europeu bem integrado, mas também com instituições europeias e funcionários públicos, mas essa osmose também é favorecida pelo trilinguismo e centralidade do Luxemburgo dentro de a UE.

Os bispos da Igreja Católica no Luxemburgo

Nicolas Adames
(1870-1883)
Jean-Joseph Koppes
(1883-1918)
Pierre Nommesch
(1920-1935)
Joseph Philippe
(1935-1956)
Léon Lommel
(1956-1971)
Jean Hengen
(1971-1991)
Fernand Franck
(1991-2011)
Jean-Claude Hollerich (seit 2011)
Photos: Luxemburger Wort
 
Ä e r z b i s t u m    L ë t z e b u e r g   .   A r c h e v ê c h é   d e   L u x e m b o u r g    .   
YouTube
SoundCloud
Twitter
Instagram
Facebook
WhatsApp 352 691 12 97 76
Service Kommunikatioun a Press
Äerzbistum Lëtzebuerg

© Verschidde Rechter reservéiert
Dateschutz
5 avenue Marie-Thérèse
Gebei H, 1. Stack
L-2132 Lëtzebuerg
+352 44 74 34 01
com cathol.lu